Acredite! Economizar combustível depende apenas de você!

Acredite! Economizar combustível depende apenas de você!

Após a paralisação dos caminhoneiros, que teve entre suas principais reivindicações o reajuste no preço dos combustíveis, o preço do litro do diesel na capital paranaense chegou a R$ 3,25, 46 centavos mais barato do que registrado em maio deste ano.

Embora 12,3% mais barato, encher o tanque do caminhão ainda é sinônimo de um investimento considerável e, quando inconsequentes, alguns hábitos podem levar os motoristas antecipadamente aos postos de gasolina.

Entenda como a economia de combustível está em suas mãos e a que ponto sua rotina, a maneira de dirigir e a manutenção de seu caminhão podem influenciar, e pesar em seu bolso, no momento de abastecer.

Rotina

Posto confiável. O painel do caminhão começou a piscar, sinalizando que ele está rodando com a reserva de combustível, e seu instinto é parar para abastecer no primeiro posto de gasolina visto na estrada, não é mesmo? Pois saiba que, abastecer em um local em que se desconheça o controle de qualidade dos combustíveis ofertados pode ser prejudicial para o motor e demais componentes do caminhão, como também para o seu bolso.

Isso porque combustíveis adulterados detêm de uma concentração de água e solventes acima do permitido por lei. Desta maneira, a queima do diesel de má qualidade gera menos energia do que o ideal para mover um caminhão com cargas pesadas durante longas quilometragens.

Além disso, peças como o motor, a bomba de combustível, filtro e velas podem ser prejudicadas com a utilização de combustíveis batizados. Por isso, busque sempre abastecer seu caminhão em postos de confiança e evite aqueles com preços muitos baixos – não há como esquivar-se do preço de mercado sem modificar a composição do diesel.

Pneus calibrados. Simples, mas esquecida por muitos: a calibragem dos pneus. Deixá-los com a pressão correta não somente aumenta a vida útil deles, como também auxilia na economia do combustível, forçando ainda menos o motor para rodá-los.

Portanto, cheque e calibre quinzenalmente seus pneus, de acordo com as indicações de pressão feitas especificamente pelo fabricante, no manual do proprietário.

Calibre-os assim que retirar o caminhão da garagem, quando os pneus estiverem ainda frios. Isso porque, a temperatura do ar no interior deles pode alterar sua pressão.

Manutenção

Óleo em dia. O óleo é responsável pela lubrificação das peças internas do motor. Desta maneira, com sua viscosidade, elas não se desgastam com o atrito e travam o motor. Por isso, quando se trata da durabilidade dos componentes do caminhão e, portanto, do rendimento do combustível, a troca de óleo é imprescindível para isso.

Portanto, cheque regularmente o nível de óleo no caminhão e fique atento a ruídos no sistema de transmissão.

Velas. A chave do caminhão foi girada e nada do motor pegar no tranco? Suas paradas nos postos de gasolina têm sido mais frequentes do que o comum? Saiba que esses sinais podem indicar falha no sistema de vela de ignição e, quando passada do momento certo, sua troca desregula o funcionamento do caminhão.

Dificuldade em dar a partida, marcha lenta desregulada e desempenho do caminhão lá embaixo são algumas das consequências ao deixar de lado a revisão e a troca das velas, por isso, não se esqueça delas!

A cada 10 mil quilômetros rodados, pare em um mecânico e cheque seu estado. Assim como a fumaça emitida pelo escapamento, sua condição diz muito a respeito do motor e demais peças.

Direção

Ponto morto. Se até antes de ler este texto você descia as ladeiras da estrada com seu caminhão engatado no ponto morto para economizar combustível, pare já! Isso é mito!

Isso porque o sistema de injeção eletrônica entende que o carro está em marcha lenta, resultando em um pedido de combustível maior por parte do sistema. Banguela? Nunca mais!

Gostou de nossas dicas? Você aplica alguma delas em seu dia a dia? Compartilhe conosco nos comentários abaixo e continue informado através de nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *